Concluída a encíclica do Papa sobre o clima. Publicação no final deste mês

O anúncio foi feito por Mons. Sorondo, diretor da Academia de Ciências. Em espera pela publicação, Greenpeace escreve ao Papa para agradecê-lo pelo compromisso com o meio ambiente

A tão aguardada encíclica do Papa sobre a criação está pronta e será publicada ainda este mês. A notícia foi dada pelo chanceler da Pontifícia Academia de Ciências, Mons. Marcelo Sanchez Sorondo, aos microfones da Rádio Vaticano, à margem do Workshop internacional promovido pela Pontifícia Academia das Ciências sobre o tema: “Protect the Earth, Dignify Humanity. The Moral Dimensions of Climate Change and Sustainable Development”, (Proteger a Terra, dignificar a Humanidade. A dimensão moral das mudanças climáticas e do desenvolvimento sustentável).

“O Papa disse esta manhã que a encíclica está pronta, que estão realizando as traduções e que provavelmente será publicada no final de maio ou no começo de junho”, afirmou Sorondo, explicando que o documento terá, naturalmente, uma abordagem mais “pastoral” com relação a estes temas descritos principalmente pelas ciências naturais e sociais.

Na expectativa pela publicação, por sua vez, a organização ambientalista Greenpeace enviou uma carta aberta ao Papa para agradecê-lo pelas iniciativas “em defesa do clima global, assumidas também tendo em vista a Encíclica anunciada”. Na carta assinada por Giuseppe Onufrio, diretor-executivo do Greenpeace Itália – entre os participantes no encontro de hoje no Vaticano – se recorda que os efeitos das mudanças climáticas “já afetam milhões de pessoas, especialmente entre os pobres: os mais vulneráveis ​​e menos responsáveis pelo aquecimento global”.

“Uma das maiores ameaças para o clima da Terra vem da exploração irresponsável do carvão e do petróleo”, diz a carta. “Os governos mostram pouca sabedoria neste campo e grandes interesses industriais ainda estão ligados a essas fontes de energia, destrutivas para o ambiente, para o clima e objeto de conflitos sangrentos”.

Para Grennepeace as consequências para a vida humana são “desastrosas” e muitas vezes “não são entendidas profundamente”. “No entanto – nota Onufrio – os sinais são muitos: condições meteorológicas extremas, derretimento do gelo, secas, inundações, tempestades, fome. E também aumento da migração de inteiras populações em busca de condições ambientais mais favoráveis”.

Se, por um lado, tem-se “o dever de ajudar e dar alívio imediato aos migrantes”, por outro não se deve negar “a ligação com as razões profundas que motivam as pessoas a migrar: fome, pobreza, violência, conflitos para ter acesso aos recursos”. “Todas questões que podem ser exacerbadas pelas mudanças climáticas em andamento”, diz a associação.

Por isso se dirige ao Papa Francisco, pedindo-lhe para fazer “um apelo a todos os governos e líderes da indústria para que se comprometam concretamente no sentido contrário do aquecimento global, por um sistema de energia baseado 100% nas fontes renováveis, que seja acessível a todas as pessoas do planeta”.
Roma, 28 de Abril de 2015 (Zenit.org) Redacao | 320 visitas
(28 de Abril de 2015) © Innovative Media Inc.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s