O que é a OFS?

26

1Pois numerosas pessoas, inflamadas pelo fervor de sua pregação, comprometiam-se com as novas leis da penitência de acordo com a forma recebida do homem de Deus [São Francisco de Assi]. O próprio servo de Cristo decidiu chamar seu modo de viver de Ordem dos Irmãos da Penitência.

2Pois, como consta que o caminho da penitência é o comum para todos os que querem ir para o céu, assim ficam claros quantos sejam os méritos deste estado, que admite clérigos e leigos, solteiros e casados dos dois sexos, pelos numerosos milagres realizados por alguns deles.” – Legenda de São Francisco escrita por São Boaventura (LM IV, 6)

logoA Ordem Franciscana Secular (Ordos Franciscanus Saecularis) é uma Ordem da Igreja Católica, fundada por Francisco de Assis e composta tanto por homens como por mulheres (sendo portanto de natureza mista), que buscam fazer de suas vidas um verdadeiro seguimento de Cristo, no espírito de São Francisco de Assis.

Originalmente denominados pelo próprio Francisco como os Irmãos e Irmãs da Penitência, a Ordem está aberta a qualquer católico que não seja vinculado por votos religiosos a alguma ordem religiosa ou instituto de vida consagrada e é composta por seculares (pessoas que não se separam do mundo, ou seja, os religiosos), podendo ser leigos ou do pertencentes ao clero secular (diáconos, sacerdotes e bispos).

images (4)Embora os franciscanos seculares realizem uma profissão pública de sua forma de vida aprovada pela Igreja Católica Romana, eles não estão vinculados por votos públicos (pobreza, obediência e castidade) como aqueles que se consagram a uma vida religiosa em comunidade. Contudo, a não realização dos chamados votos públicos não impede e não lhes desobriga de viver os conselhos evangélicos de desapego, obediência e pureza de coração, bem como podem ser organizar em fraternidades pessoais e optar por uma vida de continência.

Pertencente à família espiritual franciscana, tendo sido fundada pelo próprio Francisco de Assis, os Santos Padres sempre confiaram seu cuidado pastoral e ajuda espiritual para a Primeira Ordem Franciscana (frades menores, conventuais e capuchinhos) e a chamada Ordem Terceira Franciscana Regular (ramo da Ordem Terceira que optou pela vida comunitária e realização de votos públicos), do mesmo modo que ocorre com as monjas clarissas.

 

Um pouco de história

A pregação de São Francisco de Assis, bem como o seu exemplo de vida e de seus primeiros discípulos, exercia uma forte atração sobre as pessoas. Muitos homens e mulheres casados ​​queriam aderir a Primeira ou a Segunda Ordem, chegando a questionar Francisco sobre largar seu matrimônio para entrar em uma das ordens. Francisco, percebendo o desejo sincero destes homens e mulheres e acreditando que a vida de penitência é para ser vivida por qualquer pessoa em qualquer estado de vida, encontrou um caminho: deu a eles uma regra animada pelo espírito franciscano e lançou as bases para a nova ordem, baseada na antiquíssima Ordem da Penitência, já existente na Igreja Católica. Na composição desta regra Francisco foi assistido por seu amigo o cardeal Ugolino, mais tarde Papa Gregório IX.

Quanto ao local onde a Ordem Terceira foi introduzida pela primeira vez faltam dados históricos. No entanto, a opinião preponderante é para Florença, principalmente sobre a autoridade de Mariano de Florença, ou Faenza, para o qual é dada a primeira bula papal conhecido sobre o assunto. Já os “Fioretti”, embora não sejam considerados como uma entidade histórica (sendo mais uma compilação de lendas franciscanas), atribui a Cannara, uma pequena cidade a duas horas de caminhada da Porciúncula, como o berço da Ordem Terceira.

Igreja da Boa Morte em Cannara, onde teria sido formada a primeira fraternidade da OFS pelo próprio Francisco de Assis

Igreja da Boa Morte em Cannara, onde teria sido formada a primeira fraternidade da OFS pelo próprio Francisco de Assis

Em relação ao ano de fundação da OFS, considera-se o ano de 1221, pelo fato desta data estar escrita na cópia existente mais antiga da primeira regra. Contudo, historiadores apontam o ano de 1209 como o possível início da ordem, sendo anterior a própria fundação da 2ª Ordem (Ordem das Damas Pobres, hoje chamadas clarissas).

Os Fioretti di San Francesco, em seu capítulo XVI, contam a famosa história de quando Francisco pregou aos pássaros. Relata que Francisco e seus companheiros Masseo e Angelo viajaram para pregar em uma cidade chamada Savurniano. Aqueles que ouviram foram a pregação do santo ficaram tão inflamados pela sua mensagem que desejavam deixar a cidade e seguir os frades, abandonando suas famílias. Francis disse-lhes que tal coisa não era necessária, mas ao invés disso ele estabeleceu a Ordem Terceira “para a salvação universal de todas as pessoas.”

“E caminhando com o ímpeto do espírito, sem considerar caminho ou atalho, chegaram a um castelo que se chamava Savurniano. E São Francisco se pôs a pregar, e mandou primeiro que as andorinhas ficassem em silêncio enquanto ele estivesse pregando. E as andorinhas lhe obedeceram. E aí pregou com tanto fervor,que todos os homens e mulheres daquele castelo, por devoção, quiseram ir atrás dele, abandonando o castelo. Mas São Francisco não deixou, dizendo-lhes: “Não tenhais pressa e não ide embora. Eu vos ordenarei o que deveis fazer pela salvação de vossas almas”. E então pensou em fazer a Ordem terceira para a universal salvação de todos. E assim, deixando-os muito consolados e bem dispostos para a penitência, partiu daí e foi para um lugar entre Cannara e Bevagna”. – I Fioretti, XVI

Luchese (Lúcio) e Buona professam na Ordem dos Irmãos e Irmãs da Penitência (hoje OFS) e são investidos com o hábito da Terceira Ordem pelo próprio São Francisco.

Luchese (Lúcio) e Buona professam na Ordem dos Irmãos e Irmãs da Penitência (hoje OFS) e são investidos com o hábito da Terceira Ordem pelo próprio São Francisco.

Francisco já tinha se preocupado com a expansão de sua ordem, em detrimento das famílias. Ele recusou a entrada em sua ordem por homens casados ​​que procuraram seguir o caminho franciscano, porque as famílias não devem sofrer e serem dissolvidas. Ele escreveu uma regra que foi simples e clara, de modo que o leigo poderia viver dentro dos laços do Sacramento do Matrimônio e amar e servir ao Senhor, servindo os demais seres humanos e à Criação.

Outra história, conta sobre Luchesio Modestini, um comerciante ganancioso de Poggibonzi, que teve sua vida transformada por Francisco (data provável de 1213). Ele e sua esposa Buonadonna foram transferidos para dedicar suas vidas à oração e serviço aos pobres. Enquanto muitos casais daquela época que experimentaram uma conversão religiosa optaram por se separar e entrar em mosteiros, este casal se sentiu chamado a viver esta nova maneira de viver juntos. Assim Francisco escreveu uma regra para eles que lhes permiti-se viver o caminho franciscano de vida em plenitude, sem prejuízo de serem casados e permanecerem na sociedade. Assim começou a história dos Irmãos e Irmãs da Penitência no movimento franciscano, que veio a ser chamado de Terceira Ordem Franciscana. A Chiesa della Buona Morte, na cidade de Cannara, afirma ser o local de nascimento da Ordem Terceira. Outro candidato da mesma cidade é a Igreja de San Francesco.

Este modo de vida foi rapidamente adotado por muitos casais e homens solteiros e mulheres que não se sentem chamados à pobreza gritante dos frades e freiras, especialmente as viúvas. Eles praticavam zelosamente as lições que Francisco lhes havia ensinado a respeito da oração, humildade, operações de paz, auto negação, a fidelidade aos deveres de seu estado, e acima de tudo a caridade. Mesmo eremitas canônicos foram capazes de seguir esta regra e pôr-se na órbita da visão franciscana. A ordem veio a ser uma força no sistema jurídico medieval, uma vez que um dos seus princípios estabelecidos em sua regra era a proibição ao uso de armas, e, portanto, os membros masculinos da ordem não poderiam ser obrigados a participar das frequentes batalhas que as cidades e regiões travavam uma contra a outra.

Estátua de destaque em Igreja Franciscana em Buenos Aires, Argentina, retrata Francisco cercado de franciscanos seculares

Estátua de destaque em Igreja Franciscana em Buenos Aires, Argentina, retrata Francisco cercado de franciscanos seculares

Fundação da Ordem Franciscana Secular e sua Regra

A regra mais antiga da Ordem dos Irmãos e Irmãs da Penitência (posteriormente Ordem Terceira Francisca, e hoje Ordem Franciscana Secular) é conhecida pelo título de “Carta aos fiéis” e provavelmente foi composta por São Francisco de Assis antes de 1215, havendo uma primeira versão mais breve e outra, posterior, mais longa e com claros indícios de um verdadeiro modo de vida para determinadas pessoas que a ele liberadamente se comprometiam. Ambos os documentos são um convite de São Francisco para a vida de penitência. O santo fundador chega a utilizar verdadeiros termos de êxtase para expressar sua opinião sobre o estado de quem abraça este modo de vida:

“Todos os que amam o Senhor, “de todo coração, de toda a alma e de toda a mente, com todas as suas forças” (Mc 12,30) e “amam o seu próximo como a si mesmos” (Mt 22,39), e odeiam o próprio corpo com seus vícios e pecados, e que recebem o Corpo e o Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo e fazem dignos frutos de penitência: quão felizes são estes e estas que assim agirem e perseverarem até o fim, porque “sobre eles repousará o Espírito do Senhor” (Is 11,2) e Ele fará neles sua habitação e sua “morada” (Jo 14,23), e eles são filhos do Pai celestial (Mt 5,45) cujas obras fazem e são esposos, irmãos e mães de Nosso Senhor Jesus Cristo (Mt 12,50)”.

A “regra primitiva” foi aprovada pelo Papa Honório III em 1221 com o Memoriale Propositi. Posteriormente, a regra dos franciscanos seculares foi revista em 1289 pelo franciscano Papa Nicolau IV com a bula Supra Montem e em 1883 novamente pelo Papa Leão XIII através da bula Misericors Dei Filius. A regra atual foi aprovada pelo Papa Paulo VI, em 1978, com a Carta Apostólica Seraphicus Patriarcha.

“Os franciscanos seculares encontram na Regra o projeto evangélico e o auxílio necessário para poderem se tornar efetivamente instrumentos da reconciliação universal operada por Cristo. Tal projeto franciscano supõe a colaboração com a ação de Deus no interior das estruturas humanas. A expressão “no interior” é de fundamental importância porque afirma que a santidade, a “perfeição da caridade” que os franciscanos seculares são chamados a realizar, não passa “acima” de sua condição humana, tanto individual como social, não se realiza “apesar” de viverem em família, de trabalharem, estudarem, lutarem por uma sociedade mais justa, pela justiça, pela paz…, mas – essa é a grande verdade que Francisco intuiu – tal santidade é alcançada precisamente pelo fato de viverem fiel e evangelicamente todas as situações próprias da condição secular” (Manuale per l’assistenza all’OFS e alla GiFra, p. 89).

O Tau, símbolo universal de todos os franciscanos: frades menores, clarissas e franciscanos seculares.

O Tau, símbolo universal de todos os franciscanos: frades menores, clarissas e franciscanos seculares.

A Estrutura da OFS

A Ordem Franciscana Secular é, juridicamente falando, uma associação pública na Igreja Católica. Ela é dividida em Fraternidades de diversos níveis: local, regional, nacional e internacional. A OFS é regida pela lei universal da Igreja; e por direito próprio: a Regra, as Constituições, o Ritual e os estatutos particulares.

As fraternidades em diferentes níveis são animados e guiados pelo irmão ministro e o Conselho da Fraternidade, em conformidade com a Regra, as Constituições e os Estatutos próprios. Estes ofícios são conferidos através de eleições, denominadas Capítulos.

A Fraternidade Internacional é constituída pela união orgânica de todas as fraternidades franciscanas seculares católicas do mundo. A Fraternidade Internacional é dirigida e animada pelo Ministro Geral e o Conselho Internacional, que tem a sua sede em Roma, Itália.

A Espiritualidade Franciscana Secularcristo_francisco

“A Ordem Franciscana Secular é a mais antiga forma de organização de leigos que, guiados pela Igreja, unidos em fraternidade e inspirando-se no ideal de São Francisco de Assis, se empenham em testemunhar com a vida o Evangelho de Jesus Cristo e se dedicam ao apostolado no estado laical” (Palavras de João Paulo II dirigidas aos franciscanos seculares).

O artigo 4º da Regra da OFS sintetiza toda a espiritualidade dos franciscanos seculares:

“A Regra e a vida dos franciscanos seculares é esta: observar o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo o exemplo de São Francisco de Assis, que fez do Cristo o inspirador e o centro da sua vida com Deus e com os homens”.

Cristo, dom do Amor do Pai, é o caminho para Ele, é a verdade na qual o Espírito Santo nos introduz, é a vida que Ele veio dar em superabundância’. Os franciscanos seculares se empenhem, sobretudo na leitura assídua do Evangelho, passando do Evangelho à vida e da vida ao Evangelho”.

Texto: Frederico Félix, OFS

Fontes de Consulta: Dicionário Franciscano (CEFEPAL); L’encyclopédie de termes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s